quinta-feira, 12 de março de 2009

Sem lenço e sem documento...


Não sei até aonde eu acredito nisso, mas querendo ou não tem lição que vale pra qualquer momento da vida:


Não desperdice a sua vida com aquilo que lhe vai ser tirado. Confie na vida. Se você confiar, só então, será capaz de abandonar o seu conhecimento, só então, poderá colocar de lado a sua mente. E com a confiança, algo imenso tem início. Esta vida deixa de ser uma vida comum, torna-se plena de Deus, transbordante.
Quando o coração se torna inocente e as paredes desaparecem, você fica ligado ao infinito. E você não terá sido enganado; não existirá nada que lhe possa ser tomado. Aquilo que pode ser tirado de você, não vale a pena guardar; e aquilo que não há como ser tirado de você, por que haveria alguém de ter medo que lhe seja tirado? -- não pode ser levado, não há possibilidade. Você não pode perder o seu tesouro verdadeiro.

Osho The Sun Rises in the Evening Chapter 9

Comentário:

Este é o momento de ser aquele "ioiô humano", capaz de se atirar no vazio sem a proteção do cabo elástico amarrado aos pés! E é esta postura de confiança absoluta, sem reservas nem redes de segurança escondidas, que o Cavaleiro da Água exige de nós. Uma grande euforia nos invade quando conseguimos dar o salto para o desconhecido, ainda que essa simples idéia nos apavore.
E quando adquirimos confiança ao nível do salto quântico, deixamos de fazer quaisquer planos elaborados, ou preparativos. Não dizemos: "Muito bem, confio que sei o que fazer agora: vou pôr em dia meus negócios, preparar minhas malas e levá-las comigo". Não; nós simplesmente saltamos, sem pensar muito no que virá depois. O importante é o salto, e o arrepio que ele nos
provoca à medida que caímos em queda livre pelo vazio do céu.
A carta nos dá, entretanto, uma "deixa" a respeito do que nos espera no outro extremo -- um delicado, convidativo, um delicioso rosado... pétalas de rosa, um suculento... "Venha!"

6 comentários:

lugar_teu disse...

"Não; nós simplesmente saltamos, sem pensar muito no que virá depois. O importante é o salto, e o arrepio que ele nos provoca à medida que caímos em queda livre pelo vazio do céu."

o importante é mesmo o salto, embora nem sempre a vida nos deixe saltar sem prever os riscos. porque no fim, se sobrevivermos o caos que acabou quando nos atirámos de cabeça ha-de voltar. as vozes voltarão. os trabalhos voltarão. as rotinas. as lágrimas. enfim a vida toma rumo e mesmo que não pensemos nela enquanto saltamos, no fim, ela voltará a procurar-nos. e nós,pouco mais pudemos fazer do que continuar seguindo.
No fundo acho que me contento por ser esse ioiô humano apenas de vez enquando, de saltar sem esperanças nem promessas, de esquecer o mundo e partir para o infinito. [nem que seja por breves segundos]

é um texto que faz pensar
beijo milla*

Livia Queiroz disse...

Preciso de coragem para esquecer as amarras...
Ainda sou do tipo que pensa, pensa, pensa e repensa, mas estou tentando... rsrsrs
Adorei o texto, como sempre, vc e sua spalavras fantasticas...

vc ganhou dois selinhos:
- Um tá no cluba da Luluzinha

http://liu-loren008.blogspot.com/

- Outro tá no Assuntos de Menina

Passa lá e pega, n esqueça de seguir as instruções!

Bjokssss

Crica Fonseca disse...

Olá,
Adorei a reflexão. Concordo com o "confiar" e se deixar levar até que que nos tornemos um com o infinito. Acredito que alçamos vôo quando nos lançamos verdadeiramente!
(Amei a música, viu?)
Beijo,
Crica

Caroline disse...

Legal, esse é um dos grandes segredos da filosofia "Carpe Diem".

E eu adoro!

Belíssimo blog.

Beijo!

Claudio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
monica delazari mosqueira disse...

olá!passei para ler um pouco nessa "manhã" que tirei pra ler blogs*gostei do que li neste post!ah,aproveito para convidar vc..o blog/site musical musicgeneration.zip.net foi atualizado essa semana*abrços